Cultura Organizacional

Reinaldo Dias

O estudo da Cultura Organizacional é imprescindível para se conhecerem as organizações e perceber que estas não são formadas por pessoas transformadas em máquinas; pelo contrário, todas apresentam estruturas concebidas e formadas por indivíduos, que as modificam a todo instante. Destaca-se a importância da gestão de pessoas na administração moderna, como eixo central, substituindo-se a precisão matemática, com que se quer envolver processos, pela flexibilidade e criatividade que levam à adaptabilidade própria dos seres humanos.

Coleção Administração & Sociedade
3a edição
Ampliada e Revisata
Novembro/2012
R$48,00
Preço de capa
978-85-7516-622-2
ISBN
152
Páginas
16 x 23 cm
Formato
Português
Idioma
Abrir na LibriLaboris
.

Sumário

Prefácio

Capítulo 1
Introdução: conceito de cultura

Capítulo 2
Organizações

Capítulo 3
Cultura Organizacional

Capítulo 4
Principais Elementos da Cultura Organizacional

Capítulo 5
Liderança e Autoridade

Capítulo 6
Relação entre Cultura Organizacional e Outras Culturas

Capítulo 7
Cultura Organizacional e Mudança

Capítulo 8
Cultura Organizacional e Sustentabilidade

Referências

Orelha

Algumas teorias organizacionais tentaram transformar o ser humano em uma peça de engrenagem, como foi muito bem mostrado no filme Tempos Modernos de Charles Chaplin. No entanto, as engrenagens foram criadas por indivíduos, e a humanidade não poderia se reduzir a sua criação. Neste início de novo milênio, o ser humano tem, cada vez mais, resgatado seu papel central nos processos organizacionais, em que valores, desejos e interesses contam e interferem. É o que nos mostra o estudo da Cultura Organizacional apresentado nesse trabalho.
Seu estudo é imprescindível para se conhecer as organizações e perceber que estas não são formadas por pessoas transformadas em máquinas; pelo contrário, todas apresentam estruturas concebidas e formadas por indivíduos, que as modificam a todo instante. Destaca-se a importância da gestão de pessoas na administração moderna, como eixo central, substituindo-se a precisão matemática, com que se quer envolver processos, pela flexibilidade e criatividade que levam à adaptabilidade própria dos seres humanos.