Pequena História das Artes no Brasil

O livro traz uma trajetória das artes visuais brasileiras − pintura, escultura, arquitetura − ao longo dos seus cinco séculos, por meio de uma síntese rigorosa e vigorosa, ao mesmo tempo em que informa, encanta o leitor com senso crítico e objetividade. Desfilam em suas páginas as principais concepções, personagens e obras que compõem esta história fascinante.
3a edição
Revisada
Fevereiro/2018
R$45,00
Preço de capa
978-85-7670-288-7
ISBN
152
Páginas
16 x 23 cm
Formato
Português
Idioma
DISPONÍVEL EM E-BOOK
Abrir na LibriLaboris
Abrir na Amazon.com

Exclusivo para Professores

Solicite um exemplar para análise com 50% de desconto sobre o preço de capa.

.

Sumário

Apresentação

01. Época Colonial
Manifestações artísticas nos séculos XVI e XVII
Os jesuítas e o desenvolvimento das artes
Época barroca: algumas igrejas mineiras
A obra do Aleijadinho
Manuel da Costa Ataíde: exemplo de pintor colonial
Outros artífices coloniais

02. Época Imperial
A Missão Artística de 1816
Academismo neoclássico
Romantismo acadêmico

03. Época Republicana
O modernismo e a Semana de 22: antecedentes e consequências
Movimentos artísticos nas décadas de 1930 e 1940
A primeira Bienal e as tendências contemporâneas

Pequeno Glossário

Índice de Nomes Citados

Orelha

A trajetória das artes visuais brasileiras − pintura, escultura, arquitetura − ao longo dos seus cinco séculos, tem, aqui, uma síntese rigorosa e vigorosa ao mesmo tempo, que informa e encanta o leitor, com senso crítico e objetividade verdadeiramente exemplares. Desfilam, nestas páginas, as principais concepções, os personagens e as obras que compõem esta história fascinante, iniciada nos séculos XVI e XVII, sob as influências renascentistas do barroco inicial e da presença holandesa no Brasil. Uma história que prossegue com a arte colonial do século XVIII, notadamente a do ciclo do ouro em Minas Gerais; os desenvolvimentos decorrentes da instalação da corte portuguesa e os primórdios do ensino artístico formal no Brasil; o florescimento do romantismo, indianismo e nacionalismo das cenas históricas; o ecletismo do final do Império à belle époque; o expressionismo, a semana de 1922 e a consolidação do modernismo após o impacto desta; a expansão e o refinamento do movimento artístico-plástico brasileiro ao longo do século XX, que desemboca no pluralismo extremamente criativo das últimas décadas, com sua nova safra de talentos, suas buscas, suas audácias, sua originalidade. 

Samuel Pfromm Netto
In memorian

Referencia

BATTISTONI FILHO, Duílio. Pequena História das Artes no Brasil. 3. ed. Campinas: Átomo, 2018.
Veja Também