Arte, Estética e Formação Humana: possibilidades e críticas

A coletânea Arte, estética e formação humana: possibilidades e críticas, organizada pela Professora Silvia Rosa da Silva Zanolla, parte da referência, entre outras, de estudos dos pensadores da nomeada Teoria Crítica da Sociedade para pensar possibilidades e limites da arte e da educação na formação humana.

1a edição
Junho/2013
R$42,00
Preço de capa
978-85-7516-643-7
ISBN
182
Páginas
14 x 21 cm
Formato
Português
Idioma
Abrir na LibriLaboris

Exclusivo para Professores

Solicite um exemplar para análise com 50% de desconto sobre o preço de capa.

.

Sumário

Prefácio

Capítulo 1
Estéticas da Recepção: possíveis associações entre percepção estética e educação
Carla Milani Damião

Capítulo 2
Novos Sentidos da Crítica Por Meio do Saber Sensível das Imagens: a experiência estética viva
Keyla Andrea Santiago Oliveira e Monique Andries Nogueira

Capítulo 3
Experiência e Formação do Indivíduo: reflexões com base na teoria crítica
Nivaldo Alexandre de Freitas

Capítulo 4
Cultura, Arte, Estética e Educação: disjunções ou confluências?
Rita Márcia Magalhães Furtado

Capítulo 5
Educação Artística e Formação Musical em Adorno
Silvia Rosa da Silva Zanolla

Capítulo 6
Arte e Experiência Estética: o assombro aproximando crianças e adultos
Monique Andries Nogueira

Capítulo 7
A Crise do Drama e a Falência do Indivíduo na Contemporaneidade
Yonara Dantas de Oliveira

Capítulo 8
A Arte Monumental de Kandinsky: a busca das vibrações da alma humana
Sônia Campaner Miguel Ferrari

Capítulo 9
A Indústria Cultural e o Teatro na Realidade dos Trabalhadores com Materiais Recicláveis
Natássia Duarte Garcia Leite de Oliveira

Orelha

A coletânea Arte, estética e formação humana: possibilidades e críticas, organizada pela Professora Silvia Rosa da Silva Zanolla, parte da referência, entre outras, de estudos dos pensadores da nomeada Teoria Crítica da Sociedade para pensar possibilidades e limites da arte e da educação no intuito da formação. Frente ao silêncio em relação à violência contemporânea que tenta aniquilar toda resistência frente ao poder de maneira aparentemente democrática – com códigos aprovados pela ’razoabilidade democrática’, que, no limite, perdeu a razão, e pela democracia que deveria ser plena –, os autores apostam na possibilidade da resistência por meio das diversas formas que a arte e a educação podem expressar, sem deixarem de indicar seus limites.
Na literatura, as dificuldades de existência do narrador, enunciadas por Benjamin e por Adorno, dizem respeito quer à dificuldade de narrar o horror existente, que em aparência mais branda, tem como alegoria Auschwitz, quer à ausência de ouvidos capazes de escu­­tar, porque inexperientes. Kafka, Camus, Sartre escrevem sobre o horror e o absurdo da vida contemporânea; Joyce rompe com a linguagem tradicional para poder expressar a realidade para além das grades. Na música, Schönberg se contrapõe ao romantismo de Stravinski; no teatro, Beckett indica a linguagem do fim, do final. Em todas essas manifestações, o pedido de socorro para superar condições indignas de vida humana, que não pode prescindir da singularidade.
A expressão ’saudade do futuro’ se apresenta na melancolia do presente; na aparente esterilidade do deserto atual, seu espelhamento pela arte; quando esta não se compromete diretamente com a causa, nem com a finalidade sem fim, evidencia o objeto perdido: o indivíduo, que, por sua vez, deveria ser fruto da educação, cuja função seria a diferenciação possibilitada, por meio da cultura que transmite, da natureza sem voz.
As condições para o surgimento do indivíduo, no entanto, são de ordem objetiva, a educação e a arte podem tomá-las como base ou as denunciar, mas não são imediatamente responsáveis pela possibilidade da existência desse indivíduo. Quanto mais a educação escolar, auxiliada pela psicologia, pela pedagogia e, atualmente, por uma sociologia marxista desfocada, defende o indivíduo existente, mais esse é negado, ao não revelar que é possível, nos dias de hoje, a negação ao apelo publicitário ao qual, por vezes, a arte e a educação não têm deixado de se unir.

José Leon Crochík

Referencia

ZANOLLA, Silvia Rosa da Silvia (org.). Arte, Estética e Formação Humana: possibilidades e críticas. Campinas: Alínea, 2013.
Outros livros do(s) autor(es)
  1. Videogame, Educação e Cultura
    Videogame, Educação e Cultura
    Silvia Rosa Silva Zanolla
  2. Sociedade, subjetividade e educação: perspectiva marxista e frankfurtiana
    Sociedade, subjetividade e educação: perspectiva marxista e frankfurtiana
    Angela Cristina B. Mascarenhas e Silvia Rosa S. Zanolla (orgs)
  3. Educação, Cultura e Infância
    Educação, Cultura e Infância
    Angela Cristina B. Mascarenhas e Silvia Rosa S. Zanolla (orgs.)
  4. Educação contra a violência: pesquisas e análises críticas
    Educação contra a violência: pesquisas e análises críticas
    Silvia Rosa da Silva Zanolla e Antônio Álvaro Soares Zuin (orgs.)
Veja Também