Biopolítica, Escola e Resistência: infâncias para a formação de professores - Volume 2

Paula Ramos de Oliveira e Walter Omar Kohan

Os livros abordam seis tópicos, a saber: Tempos e espaços no aprender e ensinar; Educação é arte: cinema, rádio e música; Em torno da crise da educação; Infância e resistência; Notas sobre biopolítica, crítica e violência; e Conhecer, pesquisar, pensar. Trata-se de um esforço conjunto para problematizar, em nosso presente, forças que visam controlar e apequenar a Educação e forças que visam liberá-la e experimentá-la sob outros valores e perspectivas, que não os já cristalizados nesse campo.

1a edição
Agosto/2012
R$60,00
Preço de capa
978-85-7516-603-1
ISBN
288
Páginas
16 x 23 cm
Formato
Português
Idioma
Abrir na LibriLaboris

Exclusivo para Professores

Solicite um exemplar para análise com 50% de desconto sobre o preço de capa.

.

Sumário

Apresentação: um projeto feito livro(s)

Carta a Quem Não Sabe Ler
Lúcia Helena Pulino

PARTE 1 – Tempos e Espaços no Aprender e Ensinar

Capítulo 01
Em Torno ao Pensamento como Nomadismo e à Vida como Errância: entre Deleuze, Maffesoli e Rodríguez
Walter Omar Kohan

Capítulo 02
Experiência do Pensamento e Criação no Ensino de Filosofia
Danilo Augusto Santos Melo

Capítulo 03
Aión versus Chrónos na Era da Reprodutibilidade Técnica
Marcelo Alexandre dos Santos

Capítulo 04
Tempos do Aprender
Paula Ramos de Oliveira

PARTE 2 – Educação é Arte: cinema, rádio e música

Capítulo 05
“Tudo Comunica!”: sobre o novo e o velho nas escolas
Maria Jacintha Vargas Netto

Capítulo 06
Princípio Esperança, Trágico e Reencantamento de Mundo: os protagonistas portadores
Denis Domeneghetti Badia

Capítulo 07
Música na Escola: entre utilidade e sentido
Pablo de Vargas Guimarães

Capítulo 08
Arte Resistência à Biopolítica: a experiência de rádio livre do coletivo “Os Aparecidos Políticos”
Alexandre de Albuquerque Mourão

PARTE 3 – Em Torno da Crise da Educação

Capítulo 09
O Novo como Potencial Transformador do Velho, Através do Olhar para a Corporeidade na Educação
Katia de Souza e Almeida Bizzo

Capítulo 10
Prática Educativa: a passagem do nascimento para a natalidade e a ação segundo Hannah Arendt
Erondina Santos de Araújo

Capítulo 11
A Autoridade da Educação e a Recepção das Crianças na Responsabilidade pelo Mundo
Raquel C. S. de Vasconcelos

Capítulo 12
O Esfacelamento do Espaço Público e a Crise da Educação na Modernidade, Segundo Hannah Arendt
Hildemar Luiz Rech

PARTE 4 – Infância e Resistência

Capítulo 13
Colonialismo Cultural e a Formação de Professores para a Educação Infantil
Cândida Beatriz Alves, Marcella Brasil Furtado e Regina Lúcia Sucupira Pedroza

Capítulo 14
A Debilitação dos Sujeitos e a Necessidade de uma Educação Emancipadora: perspectivas de Theodor Adorno
Danielle Regina do Amaral Cardoso

Capítulo 15
O Pensamento Unidimensional e as Concepções de Infância: reflexões sobre possibilidades de resistência
Ivair Fernandes de Amorim

PARTE 5 – Notas Sobre Biopolítica, Crítica e Violência

Capítulo 16
Considerações sobre O Político em Carl Schmitt
Sylvio Gadelha

Capítulo 17
A Educação Sob o Signo do Novo Espírito do Capitalismo: uma análise das formas de captura da Crítica Estética e da Crítica Social
Pablo Severiano Benevides

Capítulo 18
Saúde e Meio Ambiente: a biopolítica ambiental
Paulo Rodrigues dos Santos

Capítulo 19
A Violência e a Moral Moderna
Gisele Gallicchio

PARTE 6 – Conhecer, Pesquisar, Pensar

Capítulo 20
A Questão da Espiritualidade no Conhecimento Moderno
Marcelo Senna Guimarães

Capítulo 21
Fundamentação Epistemológica dos Saberes Sobre a Escola
Siomara Borba

Capítulo 22
Relato de Experiência – Liberdade na Educação: reflexões
Carina Maria Batista Machado, Larissa Barbosa Almeida, Luísa Pereira Nishioka, Pedro Mar Rebello, Telma Regina Lago Costa, Wanessa Kesya Moreira Gonçalves da Silva e Lúcia Helena Pulino

Capítulo 23
Metafísica da Vontade de Poder e Pensamento Calculador: uma leitura do Nietzsche de Heidegger
Homero Luís Alves de Lima

Epílogo
Carta a Ernest
Cesira Elisa de Fávari

Sobre os Autores

Orelha

O presente livro constitui a segunda publicação coletiva das equipes associadas (UERJ, UFC, UNESP e UnB) do Projeto Biopolítica, Escola e Resistência: infâncias para a formação de professores (Procad-CAPES, n. 137/2007). Ele reúne os trabalhos apresentados por professores, bolsistas de graduação, mestrandos e doutorandos dessas quatro equipes, nas III e IV Jornadas do referido Projeto, realizadas, respectivamente, na UNESP de Araraquara (2011) e na UERJ (2012).
O eixo articulador das três linhas de pesquisa do Projeto é a formação dos professores, um dos principais desafios do atual momento da educação no Brasil. A primeira linha (Subjetividade, biopolítica e resistência) estuda, por um lado, a constituição da subjetividade de professores e alunos em meio à governamentalidade neoliberal e à biopolítica que lhe é correlata; por outro, os espaços de resistência que professores e alunos eventualmente podem vir a suscitar, em face da ação desses mecanismos de governo e assujeitamento.
A segunda linha (Escola filosofante), por sua vez, estuda a formação filosófica do professor, sua relação com os saberes escolares e o conhecimento sobre a escola, bem como as contribuições da crítica e criação filosóficas à experiência formativa do professor, na instituição escolar e fora dela. A terceira linha (Infância e educação da infância), enfim, concentra-se em práticas de formação de professores sensíveis à infância; esta tem, aqui, dois sentidos: um, mais literal, ligado à formação dos professores atuantes na educação infantil; outro, que vê na infância uma figura não cronológica, aiónica, concebendo-a como uma intensidade transformadora e criadora da experiência. Os capítulos do livro inscrevem-se em seis tópicos (correspondentes aos três eixos temáticos que articulam o Projeto Procad-CAPES 137/2007), a saber: Tempos e espaços no aprender e ensinar; Educação é arte: cinema, rádio e música; Em torno da crise da educação; Infância e resistência; Notas sobre biopolítica, crítica e violência; e Conhecer, pesquisar, pensar. 
Trata-se de um esforço conjunto para problematizar, em nosso presente, forças que visam controlar e apequenar a educação e forças que visam liberá-la e experimentá-la sob outros valores e perspectivas, que não os já cristalizados nesse campo.