Educação contra a violência: pesquisas e análises críticas

Silvia Rosa da Silva Zanolla e Antônio Álvaro Soares Zuin (orgs.)

Esta obra coloca-se como uma proposta de reflexão sobre este momento crucial de avanço da violência na sociedade brasileira. Nunca as teses de Theodor Adorno acerca da necessidade de desbarbarizar a sociedade pela educação foram tão atuais e pertinentes.

Nestes tempos, em que a tecnologia avança rapidamente e pode ser usada para propagar a violência e perpetuá-la, esse desafio tornou-se bem maior e convoca-nos a buscar uma formação cultural pacífica e que promova a aceitação de diferenças, sejam elas raciais, sociais, sexuais ou outras.   

1a edição
Novembro/2019
R$56,00
Preço de capa
978-85-7516-876-9
ISBN
222
Páginas
16 x 23 cm
Formato
Português
Idioma
DISPONÍVEL EM E-BOOK
Abrir na LibriLaboris
Abrir na Amazon.com
.

Sumário

Prefácio

Apresentação

Capítulo 1
Os embates entre alunos e professores na arena virtual do YouTube
Antônio A. S. Zuin

Capítulo 2
Psicologia, violência e resistência: o reverso da desumanização à luz da teoria crítica
Silvia Rosa da Silva Zanolla

Capítulo 3
Coerção à brasileira e categorias sociais − preto, pobre, marginal: o descarte de um povo
Arlindo da Silva Lourenço

Capítulo 4
Tecnologia e indústria cultural: quando controle e dominação se convertem em satisfação
Luís César de Souza

Capítulo 5
Antissemitismo: negação de si, do outro e da vida
José Leon Crochick, Carolina Cunha da Silva, João Luiz Cavalcante Carreira, Patrícia Ferreira de Andrade, Thiana Carolina Romero Martinez e Thila Pedrozo Lima

Capítulo 6
Nas práticas de custódia do Estado à infância e à juventude: a violência como norma
Marlene Guirado

Capítulo 7
Expressões do bullying e do preconceito em relatos de estudantes universitários
Pedro Fernando da Silva, Cintia Copit Freller, Patrícia Ferreira de Andrade e Rodrigo Nuno Peiró Correia

Capítulo 8
Notas sobre a institucionalização da violência na escola: entre o impedimento da formação e a necessidade da produção da consciência
Pedro Fernando da Silva

Capítulo 9
Relações entre violência social e violência escolar: reflexões de estudantes universitários sobre o bullying
Alex Sandro Corrêa, Luciana Dadico e Sandra da Cunha Cirillo

Capítulo 10
Entre sombras e luzes: a questão do fenômeno da violência política e ideológica contra os professores
Solange Martins Oliveira Magalhães

Capítulo 11
Civilização e bárbarie: reflexões sobre o filme Relatos Selvagens à luz da teoria crítica da escola de Frankfurt
Cleudes Maria Tavares Rosa, Ettore Riter, Rômulo Fabriciano Gonzaga Pinto e Welma Alegna Terra

Orelha

Esta obra coloca-se como uma proposta de reflexão sobre este momento crucial de avanço da violência na sociedade brasileira. Nunca as teses de Theodor Adorno acerca da necessidade de desbarbarizar a sociedade pela educação foram tão atuais e pertinentes. Segundo o autor trata-se de uma condição para a sobrevivência da humanidade. (ADORNO, 1995)

Nestes tempos, em que a tecnologia avança rapidamente e pode ser usada para propagar a violência e perpetuá-la, esse desafio tornou-se bem maior e convoca-nos a buscar uma formação cultural pacífica e que promova a aceitação de diferenças, sejam elas raciais, sociais, sexuais ou outras.

Os textos aqui apresentados, embasados no pensamento da Escola de Frankfurt, dão um passo nesse caminho, abordando as relações entre violência e educação em suas diferentes facetas: a violência entre alunos, sobretudo o bullying e o cyberbullying, a violência contra professores praticada por alunos e pelo próprio sistema educacional e, provavelmente, a sua forma mais pungente: a violência tácita embutida nos procedimentos de acolhimento e tratamento de crianças e jovens em escolas, orfanatos e instituições de correção.

Essas questões, abordadas em diversos âmbitos, como educacional, social, psicológico e outros, são estudadas em suas raízes para que se encontrem soluções reais para tais problemas e se promovam ações de prevenção à violência.

Como diria Adorno, quem sabe, no futuro, emergirá uma consciência verdadeira como “democracia efetiva”, em meio às contradições políticas e culturais da realidade do nosso tempo.

Veja Também