Sugestões para a Sala de Aula: Minha Amiga Chapeuzinho

José Auri Cunha (org.)

De um modo geral, histórias de literatura infantil não têm prescrição de idade. O professor pode trabalhar com qualquer história em seu grupo, escolhendo a forma de leitura e ambientando adequadamente a sua apresentação. O que importa mesmo é como trabalhar com cada história. É claro que o formato gráfico e a linguagem podem orientar a utilização de uma dada história mais diretamente para esta ou aquela idade.

São apresentadas, na obra, sugestões de atividades de conversação. Podem ser utilizadas como atividades de meras conversações, a partir da história lida. Mesmo estas despertam a imaginação e podem levar ao embate entre opiniões divergentes, ou pelo menos, a desafios intelectuais, atividades lúdicas por meio da linguagem. Para este fim foram sugeridos alguns “nós” extraídos das narrativas. Tais nós propiciam a prática de jogos de linguagem, os quais, se bem orientados pelo professor, podem se tornar boas conversações. Até mesmo, boas conversações filosóficas.

Coleção Histórias que Rendem Boas Conversas...
1a edição
Março/2011
R$8,00
Preço de capa
978-85-7670-142-2
ISBN
22
Páginas
140 x 210 mm
Formato
Português
Idioma
Abrir na LibriLaboris
.

Sumário

Orelha