Professores da Escola Normal de São Paulo (1846-1890): uma história não escrita

Marcia Hilsdorf Dias

Esta obra, que se inscreve no âmbito da história das instituições escolares, visa contribuir para o campo historiográfico da educação brasileira em duas direções: a do estudo da história republicana da Escola Normal do Império e a do conhecimento dos professores que atuaram na Escola Normal de São Paulo durante o século XIX, no período do Império brasileiro.

1a edição
Agosto/2013
R$44,00
Preço de capa
978-85-7516-646-8
ISBN
314
Páginas
14 x 21 cm
Formato
Português
Idioma
Abrir na LibriLaboris
.

Sumário

Apresentação

Parte I – A Propósito do Objeto de Estudo

Questões Teórico-metodológicas e Fontes
As Visões Recorrentes entre a Metáfora das Luzes e a História Republicana
Revendo a História Institucional da Escola Normal de São Paulo
Revendo a História dos Professores da Escola Normal de São Paulo

Parte II – Pequeno Dicionário dos Professores da Escola Normal de São Paulo (1846-1890)

Ao Leitor
Adelino Jorge Montenegro
Américo Ferreira de Abreu
Antonio Augusto de Bulhões Jardim
Antonio da Silva Jardim
Aristides Franco de Meirelles
Arthur Gomes
Bertha Mathilde Kling
Camillo Passalacqua
Carlos Joaquim dos Reis
Carlos José de Arruda Botelho
Carlos Marcondes de Toledo Lessa
Constante Affonso Coelho
Cypriano José de Carvalho
Felicidade Perpétua de Macedo
Godofredo José Furtado
Ignácio Soares de Bulhões Jardim
João Bernardes da Silva
Joaquim da Costa Guedes
Joaquim José de Azevedo Soares
José Eduardo de Macedo Soares
José Estácio Corrêa de Sá e Benevides
José Rubino de Oliveira
Júlio César Ribeiro
Manoel José Chaves
Manoel José da Lapa Trancoso
Melchíades da Boa Morte Trigueiro
Paulo Antonio do Valle
Paulo Bourroul
Theóphilo Odorico Dias de Mesquita
Thomaz Augusto Ribeiro de Lima
Tiburtino Mondim Pestana
Vicente Mamede de Freitas

Notas

Referências

Orelha

Esta obra, que se inscreve no âmbito da história das instituições escolares, visa contribuir para o campo historiográfico da educação brasileira em duas direções: a do estudo da história republicana da Escola Normal do Império e a do conhecimento dos professores que atuaram na Escola Normal de São Paulo durante o século XIX, no período do Império brasileiro.
A Escola Normal de São Paulo apresenta três fases de funcionamento durante o Império – de 1846 a 1867, de 1875 a 1878 e de 1880 a 1890 –, cada qual com uma estrutura diferente na organização de seus cursos, evidenciada na distribuição progressivamente mais complexa das cadeiras que compunham o currículo. A questão que surge é se essas alterações levavam a uma mudança no perfil dos professores nomeados para regê-las ou se o corpo docente foi se constituindo na dependência de influências externas à própria instituição.
A dúvida se impõe, imediatamente, quando se percebe que o ritmo das fases não foi marcado por reformas de fundo pedagógico, mas por decisões advindas do poder público provincial, expressão dos poderes socioculturais do período.
Na segunda parte do livro, tem-se um Pequeno Dicionário dos Professores da Escola Normal de São Paulo (1846-1890), que apresenta, sob o paradigma do professor como pessoa, biografias que focalizem os aspectos profissionais e humanos dos docentes. A expectativa é que, ao dicionarizar a vida e a obra dos professores, tenha-se conseguido construir uma obra de referência que possa oferecer subsídios para futuras pesquisas no campo da história da educação brasileira, em especial sobre a formação docente em instituições de ensino normal, pois foram reunidas informações biobibliográficas que se encontram dispersas em diversas fontes, sobre todos os professores que atuaram na Escola Normal de São Paulo ao longo do Império.

Veja Também