Iniciação à Investigação Filosófica: um convite ao filosofar

José Auri Cunha

A melhor maneira de apresentar a Filosofia, seja a um estudante, seja a um leitor, é praticando uma investigação filosófica e dialogando com os filósofos da tradição. Assim, o filosofar reveste-se de utilidade para a vida presente, e não apenas para a história passada. Esta é a perspectiva acolhida pelo autor nesta iniciação à investigação filosófica. Pretende-se que ela seja adequada para uso em cursos de iniciação, seja no ensino médio, seja em cursos superiores. Em qualquer caso, o estudo ou a leitura não precisam ser de modo linear e contínuo. Cada capítulo goza de certa autonomia e comporta graus variáveis de interesses quanto aos níveis de complexidade, permitindo ao leitor ou estudante definir o âmbito de sua própria investigação. Sua aparição não se dará em nome da sequência temporal das inserções nos problemas do tempo. Abundam boas fontes de história da filosofia, cuja consulta sempre enriquece a erudição e a contextualização da vida e obra dos pensadores. Este livro é, antes de tudo, um convite ao filosofar.

2a edição
Revisada
Abril/2013
R$90,00
Preço de capa
978-85-7516-642-0
ISBN
458
Páginas
16 x 23 cm
Formato
Português
Idioma
Abrir na LibriLaboris
.

Sumário

Índice de textos de filósofos
Prefácio à nova edição
Prefácio à edição de 1992

PARTE I
A razão pensa a natureza

CAPÍTULO ZERO
A investigação filosófica e seus instrumentos

CAPÍTULO 1
A inteligência e o pensamento

CAPÍTULO 2
A linguagem e o conhecimento

CAPÍTULO 3
A religião e a ciência

CAPÍTULO 4
A filosofia e a natureza

PARTE II
a razão pensa a cultura

CAPÍTULO 5
Guerras e poder

CAPÍTULO 6
Ideologias e justiça

CAPÍTULO 7
Utopias e democracia

CAPÍTULO 8
A filosofia e o homem

PARTE III
A razão pensa a razão

CAPÍTULO 9
A modernidade em seu espelho

CAPÍTULO 10
A experiência simbólica e a arte na cultura tecnológica

CAPÍTULO 11
As duas fontes da moralidade ocidental

Orelha

A melhor maneira de apresentar a Filosofia, seja a um estudante, seja a um leitor, é praticando uma investigação filosófica e dialogando com os filósofos da tradição. Não apenas para saber o que eles disseram, mas para interrogá-los e extrair deles boas ferramentas conceituais para refletir sobre questões da atualidade. Os pontos de partida e de chegada da reflexão filosófica que investiga são os problemas que interessam à experiência humana atual. Assim, o filosofar reveste-se de utilidade para a vida presente, e não apenas para a história passada.
Esta é a perspectiva acolhida pelo autor nesta iniciação à investigação filosófica. Pretende-se que ela seja adequada para uso em cursos de iniciação, seja no ensino médio, seja em cursos superiores. Em qualquer caso, o estudo ou a leitura não precisam ser de modo linear e contínuo. Diferentes percursos serão recompensados com abordagens não prisioneiras da linha do tempo, ou de linhas de aprofundamento que exijam os momentos anteriores como pré-requisitos necessários. Cada capítulo goza de certa autonomia e comporta graus variáveis de interesses quanto aos níveis de complexidade, permitindo ao leitor ou estudante definir o âmbito de sua própria investigação.
Os grandes filósofos da tradição são chamados por meio de trechos significativos do seu pensamento, conforme a sua contribuição seja justificada pelo rumo da investigação praticada. Portanto, sua aparição não se dará em nome da sequência temporal de suas inserções nos problemas do tempo em que viveram. Privilegiou-se a conversação com eles. Abundam boas fontes de história da filosofia, cuja consulta sempre enriquece a erudição e a contextualização da vida e obra dos pensadores. Este livro é, antes de tudo, um convite ao filosofar.

Veja Também