Agroecologia e educação do campo (Volume 1)

Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco, Maristela Simões do Carmo, Wilon Mazalla Neto, Vanilde Ferreira de Souza-Esquerdo, Ricardo Serra Borsatto, Regina Aparecida Leite de Camargo (org.)

Educação do Campo e Agroecologia são duas vertentes que muito têm contribuído para a reflexão sobre a prática extensionista, as matrizes tecnológicas dos processos produtivos agroecológicos, o protagonismo do agricultor familiar e seus saberes e experiências na agricultura.

O livro destaca as pesquisas realizadas nos sistemas produtivos vegetais, incluindo culturas anuais, florestas, consórcios e arranjos agroflorestais, em especial no que se refere às possibilidades de aproveitamento das florestas.

O tema da produção animal agroecológica também é largamente discutido, uma vez que é de extrema importância para o equilíbrio da economia camponesa e do sistema produtivo. Em seu conjunto, os capítulos que abordam essa atividade ressaltam o papel, o potencial e a importância da criação animal agroecológica nos assentamentos e chamam a atenção para a deficiência de um serviço de assistência técnica especializada nessa área.

1a edição
Outubro/2019
R$130,00
Preço de capa
978-85-7670-263-4
ISBN
540
Páginas
18 x 25 cm
Formato
Português
Idioma
DISPONÍVEL EM E-BOOK
Abrir na LibriLaboris
Abrir na Amazon.com
.

Sumário

Prefácio

Apresentação

PARTE 1. Produção vegetal e sistemas agroflorestais

01. Sistemas agroflorestais com base agroecológica: um estudo de caso no assentamento rural Elizabeth Teixeira-SP
Bruno Francisco de Sales M. Martins e Kellen Maria Junqueira

02. Elaboração participativa de croqui para restauração florestal utilizando técnicas de nucleação no assentamento rural Rosa Luxemburg, Agudos-SP
Gabriel Cortês Machado da Silva e Maristela Simões do Carmo

03. A experiência com os assentados rurais na prática da produção orgânica no assentamento rural Reunidas, Promissão-SP
Nelson Luiz Moreira de Barros, Maristela Simões do Carmo e Ana Paula Zimbardi Lombardi

04. Sistema agroflorestal para recomposição de reserva legal no assentamento rural Cachoeira em Itapura-SP
Rubia Maria Pinheiro de Toledo e Leonardo de Barros Pinto

05. A percepção e o uso dos recursos florestais no assentamento rural Loiva Lurdes, Borebi-SP
Talita Rodrigues Rassini e Maristela Simões do Carmo

06. Acessibilidade de recursos financeiros para implantação de agroflorestas no assentamento rural Loiva Lurdes
Daniel Carlos Maia Martins e Regina Aparecida Leite de Camargo

PARTE 2. Produção animal agroecológica

07. A criação de galinha caipira sob o diálogo entre saber tradicional e conhecimento científico: a viabilidade da produção de cartilha agroecológica
Frederico Pecorelli de Oliveira, Maria Dalva Oliveira Soares e Julieta Teresa Aier de Oliveira

08. A importância do manejo sanitário nas criações de galinhas caipiras
José Carlos de Matos Cardoso e Vanilde Ferreira de Souza-Esquerdo

09. Projeto de instalação móvel para criação de galinha agroecológica
Rubens Cruz Praude e Julieta Teresa Aier de Oliveira

10. Aplicação do diagnóstico rural participativo no assentamento rural Cachoeira em Itapura-SP para a construção de estratégias de controle de carrapatos nos animais destinados à pecuária leiteira
Maria Cecília Borgo Murback e Leonardo de Barros Pinto

11. Elaboração de uma proposta de sistema de pastoreio voisin para produção de leite no assentamento rural Cachoeira, Itapura-SP
Marilia Guedes Carneiro Soares e Leonardo de Barros Pinto

12. Análise de agroecossistemas e a importância da piscicultura no assentamento rural Milton Santos, Americana-SP
José Simões Nunes e Ricardo Serra Borsatto

PARTE 3. Conhecimento popular, tecnologias sociais e transição agroecológica

13. Quintais produtivos e transição agroecológica: possibilidades e desafios
Elisa Carvalho Lauer, Regina Aparecida Leite de Camargo e Julieta Teresa Aier de Oliveira

14. A agricultura que não se vê: práticas agroecológicas no assentamento rural Bela Vista do Chibarro-SP
Maria Aparecida Silva Barbosa e Regina Aparecida Leite de Camargo

15. Do veneno às borboletas do campo: um estudo dos saberes tradicionais agroecológicos em assentamentos de reforma agrária
Thauana Paiva de Souza Gomes e Wilon Mazalla Neto

16. Sistemas agroflorestais em áreas de reforma agrária: diálogos possíveis no assentamento rural Elizabeth Teixeira
Lívia Murari Rocha e Wilon Mazalla Neto

17. As contribuições da agroecologia para o fortalecimento da agricultura quilombola
Maíra Rodrigues da Silva e Wilon Mazalla Neto

18. Diálogos entre a agricultura tradicional quilombola e a agroecologia: enriquecimento agroflorestal como estratégia de resistência em comunidades de Eldorado-SP
Lucimara Marcelino e Wilon Mazalla Neto

19. Proposta de implantação de sistema silvipastoril para produtores de leite do assentamento rural Loiva Lurdes: uma contribuição bibliográfica
Thiago Klobucaric de Lucas e Maristela Simões do Carmo

20. Construção do conhecimento mediado pela implantação de um sistema de irrigação no Projeto de Desenvolvimento Sustentável Santa Helena, São Carlos-SP
Guilherme Franceschini e Regina Aparecida Leite de Camargo

21. Tecnologias viáveis para o tratamento de resíduos orgânicos no Projeto de assentamento rural Cachoeira, Itapura-SP
Valdete Oliveira Santos, Regina Aparecida Leite de Camargo e Maria Ângela de Moraes Cordeiro

PARTE 4. Produção vegetal e sistemas agroflorestais

22. Avaliação e apoio à inclusão socioprodutiva de agricultores familiares do assentamento rural 23 de Maio, Itapetininga-SP
Bruna Carolina de Meira e Ricardo Serra Borsatto

23. Sementes crioulas como fortalecedoras do capital social no Projeto de Desenvolvimento Sustentável do assentamento rural Santa Helena, São Carlos-SP
Caio Yamazaki Saravalle e Vanilde Ferreira de Souza-Esquerdo

24. Indicadores ecológicos de agroecossistemas do assentamento rural Rosa Luxemburg, Agudos-SP
João Arthur Pompeu Pavanelli e Maristela Simões do Carmo

25. Deficiência na implantação dos assentamentos versus resistência com produção familiar: o caso do assentamento rural Elizabeth Teixeira-SP
Leirson Dantas Bispo (in memorian), Julieta Teresa Aier de Oliveira e Fernando Rabello Paes de Andrade

26. Motivações e limitações na construção de um processo de transição agroecológica no assentamento rural Cachoeira, Itapura-SP
Cícero Rogério Henrique Laluce e Ricardo Serra Borsatto

Orelha

Educação do Campo e Agroecologia são duas vertentes que muito têm contribuído para a reflexão sobre a prática extensionista, as matrizes tecnológicas dos processos produtivos agroecológicos, o protagonismo do agricultor familiar e seus saberes e experiências na agricultura.

A considerar a diversidade identitária e cultural dos habitantes do campo, é preciso estabelecer uma nova relação entre o homem e a natureza que contemple a questão ambiental, sobretudo no que diz respeito à preservação dos recursos naturais. Tendo em vista a ciência segmentada como a de que dispomos e a sociedade capitalista em que vivemos − uma vez que as próprias instituições que formam profissionais da agricultura e os programas governamentais nessa área reproduzem modelos que podem prejudicar o meio ambiente e a permanência saudável do homem no campo − a adoção de princípios agroecológicos representa grande desafio.

É com o intuito de abrir caminhos para enfrentá-lo que trazemos esta coletânea de artigos produzidos no Curso de Especialização Educação do Campo e Agroecologia na Agricultura Familiar e Camponesa, realizado na Faculdade de Engenharia Agrícola da Unicamp, fazendo parte do Programa Nacional de Educação do Campo: formação de estudantes e qualificação de assistência técnica. As atividades de pesquisas e extensão em campo, sustentadas pela base teórica das aulas, foram viabilizadas por meio da parceria e participação da Faculdade de Ciências Agronômicas Unesp/Botucatu; Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Unesp/Jaboticabal e Universidade Federal de São Carlos, campus Lagoa do Sino, em Buri, todas no estado de São Paulo, e o projeto educativo estava circunscrito no âmbito e nos marcos do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera).  

O livro destaca as pesquisas realizadas nos sistemas produtivos vegetais, incluindo culturas anuais, florestas, consórcios e arranjos agroflorestais, nas quais se evidenciou que a experiência dos assentados em cultivos agrícolas transparece nas práticas demonstradas, porém, em muitas situações, sem conseguir obter os melhores resultados em razão do pouco conhecimento acumulado na exploração dos recursos naturais locais, em especial no que se refere às possibilidades de aproveitamento das florestas.

O tema da produção animal agroecológica também é largamente discutido, uma vez que é de extrema importância para o equilíbrio da economia camponesa e do sistema produtivo, mas esbarra em problemas que vão das dificuldades da produção aos entraves da legislação sanitária e do mercado. Em seu conjunto, os capítulos que abordam essa atividade ressaltam o papel, o potencial e a importância da criação animal agroecológica nos assentamentos e chamam a atenção para a deficiência de um serviço de assistência técnica especializada nessa área.

Os textos trazem ainda questões ligadas ao conhecimento popular, tecnologias sociais e transição agroecológica, em que são discutidos assuntos relacionados à construção tecnológica e ao conhecimento popular na agroecologia, com o intuito de estabelecer práticas fundadas no saber do camponês para construir e orientar a transição agroecológica para processos autônomos e emancipadores de organização da agricultura e da vida no campo.

Agroecologia, metodologias participativas e diagnósticos têm, ainda, espaço na pluralidade de perspectivas apresentadas, em relatos de experiências e reflexões sobre a construção de processos produtivos mais sustentáveis.    

Trata-se, portanto, de uma obra que traz em si trabalhos em que os alunos reconhecem e oportunizam o protagonismo dos agricultores familiares e assentados em programas de reforma agrária como sujeitos do desenvolvimento rural, cuja atuação pode colaborar para a construção de processos de autonomia, constituição de direitos, preservação ambiental e, consequentemente, qualidade de vida no campo.